Famosos velejadores brasileiros revelam seu “pequeno segredo” agora em Miami

Por Chris Delboni | Coluna Direto de Miami (http://colunistas.ig.com.br/diretodemiami)
Fotos de Carla Guarilha

Nos anos 80, Heloisa Schurmann enfrentou 10 anos no mar, dando a volta ao mundo num veleiro com o marido e três filhos pequenos, de 7, 10 e 15 anos.  Mas nenhum temporal assustou-a tanto quanto a tempestade pessoal que viveu em 2006 quando perdeu sua filha adotiva, Katherine.

Kat nasceu com o vírus HIV e morreu de uma parada cardíaca, aos 13 anos, por complicações da doença.

Mas foi sua vida, 10 anos ao lado da família Schurmann, que mudou o percurso do vento espiritual de Heloisa, a matriarca dos velejadores brasileiros, apelidada carinhosamente de “formiga atômica”.

“Minha irmã diz assim, ‘você conseguiu dar a volta ao mundo, e o que mais te tirou o tapete de baixo é que você não conseguiu com que a Kat vivesse’.  E isso realmente é uma coisa que aprendi”, diz ela.  “Você não tem o controle do seu destino”.

David Schurmann (esq.), Eddie, padrasto de Heloisa, que mora em Miami e fez 90 anos no domingo, Heloisa e Wilhelm, o caçula da família. Foto de Carla Guarilha

David Schurmann (esq.), Eddie, padrasto de Heloisa, que mora em Miami e fez 90 anos no domingo, Heloisa e Wilhelm, o caçula da família. Foto de Carla Guarilha

E agora, é essa lição de desapego afetivo e tolerância que a navegadora e escritora está levando ao mundo com seu novo livro, “Pequeno Segredo: A lição de vida de Kat para a família Schurmann”, publicado no Brasil e semana passada lançado na galeria do artista Romero Britto em Miami, a primeira noite de autografo fora do país e onde ela viveu intensos momentos com sua filha.

Na noite de autógrafo em Miami. Foto de Carla Guarilha

Na noite de autógrafo em Miami. Foto de Carla Guarilha

“Miami era o centro de tratamento dela”, diz Heloisa, que se lembra como se fosse ontem cada ajuste dos remédios, os famosos “coquetéis da AIDS”.

Ela conta que uma vez Kat começou a vomitar em plena I-95, uma via rápida aqui.  Heloisa foi acalmando-a com palavras de carinho e compreensão até conseguir parar o carro num posto de gasolina para abraça-la e limpar o automóvel.

“Ela ficava bem seis meses, um ano, e começava a baixar a imunidade e tinha que trocar de remédio”, diz Heloisa, que manteve o segredo de Kat guardado a sete chaves até pouco antes dela falecer, com o intuito de protege-la contra preconceitos em relação a AIDS.

A direção de uma escola uma vez deixou claro que se a condição de Katherine chegasse ao ouvido de pais e houvesse alguma reclamação, a menina teria que parar de frequentar as aulas imediatamente.

Quando Kat finalmente soube da verdadeira razão porque se sentia às vezes enfraquecida e tinha que tomar tantas “vitaminas”, ela disse que aos 14 anos queria contar para o mundo que era soropositiva e poder fazer a diferença com sua historia.

“Eu dizia, ‘vai ser uma barra’.  E ela falava, ‘não faz mal.  Eu já aprendi  a viver com a barra’”, diz Heloisa.

Heloisa, na casa de Eddie, em Miami, mostra com orgulho a capa do livro. Seu pai biológico morreu quando ela tinha 4 anos. Foto de Carla Guarilha

Heloisa, na casa de Eddie, em Miami, mostra com orgulho a capa do livro. Seu pai biológico morreu quando ela tinha 4 anos. Foto de Carla Guarilha

E assim Kat foi mantendo um diário, que hoje faz parte desse livro, dessa historia que ela nunca pode contar, mas que se tornou uma missão para sua madrasta, que ela chamava de “mommy”, seu padrasto, Vilfredo, que era o “daddy”, e os três irmãos, Pierre, Wilhelm e David, diretor de cinema que está trabalhando no seu primeiro filme de ficção que deve ser lançado no próximo ano e também vai contar uma historia semelhante: de uma menina portadora do vírus HIV que transformou a vida de uma família brasileira.

Na primeira expedição ao mundo da família Schurmann, David tinha 10 anos.  Com 13, já filmava, e com 16 começou a trabalhar no ramo.  Durante a viagem, ele decidiu ficar em terra para cursar uma faculdade de cinema na Nova Zelândia, onde a família conheceu os pais de Kat.

Foi a bandeira do Brasil no barco dos Shurmann que aproximou as famílias.

Robert, neozelandês, também um velejador assíduo, havia se apaixonado por Jeanne no Brasil.  Mas antes de se casarem, ela foi atropelada e, numa transfusão de sangue, adquiriu o vírus HIV, que sem saber, transmitiu ao marido e filha.

Após a morte de Jeanne, Roberto procurou os brasileiros e acabou contando a historia, e deixando Kat nas mãos dos amigos, antes dele morrer.

O filme Pequeno Segredo vai contar a historia desses encontros e fatalidades, mas em forma de ficção.  O roteiro é de Marcos Bernstein, roteirista de “Central do Brasil” e “Chico Xavier”.

"Formiga atômica" com seu filho cineasta: admiração e respeito no olhar. Foto de Carla Guarilha

“Formiga atômica” com seu filho cineasta: admiração e respeito no olhar. Foto de Carla Guarilha

O cineasta, hoje com 38 anos, diz que o filme não é um “melodrama” e vai deixar uma sensação positiva no fim.

“É triste mas você sai querendo valorizar mais sua vida”, diz ele.  “Não é quanto tempo você tem de vida, mas o que você faz com ela que conta.  Fica a dor, a tristeza, mas a vida continua.  O sol vai nascer e o vento vai soprar”.

E é justamente esse sentido de desapego emocional que se tornou a maior lição de vida que Kat deixou para Heloisa.

“A passagem da Kat para outro mundo me ensinou que a vida é um desapego muito grande”, diz Heloisa, que demorou seis anos para conseguir colocar em palavras esse sentimento tão profundo.

“A Kat apareceu na nossa vida e realmente foi um presente.  Ela acendeu uma luz”, diz Heloisa, que adotou a menina em 1995, quando ela tinha 3 anos.  “Ela me ensinou a lição do amor incondicional. Independentemente de quem você é, de como você é, você aceita aquela pessoa no seu coração”.

5

E essa lição se tornou sua missão hoje em dia, uma missão adotada por todos os membros dessa família de navegadores brasileiros, que saem em novembro numa nova volta ao mundo no que estão chamando de Expedição Oriente.  Eles saem de Itajaí em Santa Catarina e devem ficar no mar dois anos.

Nova Zelândia, mais uma vez, faz parte do trajeto.

As vendas do livro em Miami vão beneficiar a entidade de caridade “Natal de Renata” em Pernambuco e o Instituto Kat Schurmann em Santa Catarina.

Para saber mais sobre as aventuras da família Schurmann, visite: http://www.schurmann.com.br.

No vídeo, Heloisa Schurmann revela o segredo do seu sucesso.

* Texto originalmente publicado pelo portal de notícias iG.com.br na coluna Direto de Miami

Advertisements


Categories: Direto de Miami

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: